Continuum | Fusão entre dança e animação para a geração de ciber-pípol

Pensa numa internets discada cheia daqueles barulho insuportável de cigarra jupteriana. Pensou? Agora disca pro seu parente mais novo – que possivelmente já substituiu as brinks ruêra *béts, peteca, burquinha, etecétera* por juóguinhos de smartphones, e tente conversar sobre, sei lá, o curupira, ou qualquer outra lenda folclórica. Confesso que a tia que só jogou a ideia mesmo, porque eu micago toda de medo… já pensou se as onda de microonda, internéts e essas tecnologia toda são mesmo cancerígena e as creancinhas dessa nova geração já tão começani a tomar esse shake-de-morte assim que dão ~olar! feat. choramingância~ nos hospital hightec que as mãe pagam com muito suor de lavoro? Que o caboclo da mata 5g nos proteja! #acendeniumavela #acendeniotavelapraagradeceralgumacoisaboaenãosópedir #apaganiasvela #porqueminhagataémeiolesadinha #epodesequeimar #judiêra

Problematizar é uma delícia, nunhé!? Dizem que fundo de poço tem mola, mas se você ficar cavando, acho que dá pra chegar no Japão e nada da caralha da mola botar a cara no sol. As creança já tão trocando os bicho de estimação por pokemón? Ok. Meio tense sim síora, mas dá pra enfiar uma beterraba goela abaixo e ver se os protuberóles num agem nos buchinho delas fazendo com que queiram, pelomenes, puxar uns rabo de gato de ~verdade~. Já tá tudo aí e ia ser uma funça sem fim arear o mundão… ai, a louça tá acumulani… onde que eu tava mesmo? ah sim, #foco.

No meio desse rebuceteio da geração x tentani entender a y e todas quase que esquecendo que a z já tá concorrendo ao grêmio – ainda chama assim? – dazescóla tudo, o senhorito universo me afogou numa pia entupida and de louça acumulada, com o curta Continuum. Mas assim, uma louça de feijão boiante que, na verdade, é facilmente desentupível com A) mãos corajosas ou B) língua de Lickitung ou C) desentupidor mesmo ou ainda, dependendo do estado da sua pia, D) todas as alternativas anteriores.

Dá uma ispiada:

 

Caiu uma lagriminha de reboco aí em vocês também? Isso é quantos D? Mais que 4, né!? A escada de concreto que vai pra sabe-se-lá quis lugar, o próprio chão de concreto retilínio como nossos comportamentos cada vez mais condicionados, e alguém andano de patins. Peraí… chô só anotar na lousinha pra aprender a andar de patins. #ja volto.

#voltei

Então… ah, o chão retilínio. E ceis percebêro que tem só um fio que dança descalço nas concreta? Minina, SÓ UM. Porque será né!? Só sei que ele é o da dança mais sufrida de todas, e se arrasta igual um caramujo chupador de energia das pédra de um mundo concretoso e ciieeenzaOOMF.
Mas o mais lindsay mesmo foi aquela parte do all the amigues in de uôldi, de todas se levando nas costa, se eminhocãno tudo nos corpo dazôta, siajudando igual corrente do bem do teleton e aí… ME ARREMEÇA UMA FIA NO DESERTO *torta de climão* O que será que é esse deserto, hein!? Tenho pra mim que é alguma coisa dos avós dos nosso avó… não, mais longe. Dos tatara dos tatara que morava na pangeia. Macacos? Num sei. Gosminha comedora de folha? Pode sê também.

*vamos todas simaginá uma placentona… BRINKS, VAMO NÃO. Minha úlcera imaginária ataca*

E quando você acha de já levou chapuletada o suficiente no meio da fuça, vem a chuca de areia do brasil com o egyto na cara das pessoa sentadinha assistindo sabe-se-lá-o-quê. Essa última, eu num vô bedelhar não. ***pausa mais que dramática do pretérito mais que imperfeito*** AHHH, TEJE DÓ NÉ *pê – eu, no caso, vai apagar a abóbora do fogo*

bjas pessegóides. até amanhã. #foco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

edita: talvez o foco tenha alguma coisa a vê também, viu.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *