Documentários imperdíveis para quem ama Cinema

Não faz muito tempo que falei aqui sobre o lançamento da Netflix, Five Came Back, envolvendo os bastidores de uma das histórias mais interessantes da industria (se quiser saber mais, leia aqui), então fiquei pensando aqui e talvez seja hora de indicar para vocês alguns documentários que valem a pena ser assistidos. É claro que nem todos são difíceis de achar ou são desconhecidos, acho que a maioria já pode ter sido assistida por algum cinéfilo que esteja lendo essa matéria, mas caso você queira saber mais sobre esse mundo maravilhoso da sétima arte, é só puxar uma cadeira e aproveitar.

eu vou é me aconchegar de vez
eu vou é me aconchegar de vez

Lembrete (SEMPRE tem um quando eu faço listinhas): Vou tentar focar mais em bastidores de produções, aqueles que tem barraco e tudo, já que são mais divertidos de ver. Mas não vou privar vocês de alguns que focam em uma pessoa só, vai depender do conteúdo do documentário e se vale a pena a indicação. Tirei produções como Trespassing Bergman (2013), Tarkovsky: Tempo dentro do tempo (2015) ou My Life Directed by Nicolas Winding Refn (2014), já que focam muito mais na vida pessoal desses diretores e servem mais como entrevistas e analises sobre seus trabalhos do que um documentário que fale mais sobre cinema em si.

Então vamos lá.

Para começar, se você quer saber mais sobre a história do cinema, que professor melhor do que o próprio Martin Scorsese? Em A Personal Journey Through American Movies, Scorsese passa pelos principais gêneros e movimentos do cinema norte-americano e como influenciaram a industria. Divido em duas partes, somando uma duração de quase 4 horas, esse doc passa voando de tão interessante.

Na sequencia, coloque Duna de Jodorowsky (2013). Este é um documentário que conta algo que veremos bastante nesta lista e é um dos maiores pesadelos de um diretor: quando seu filme é rejeitado. Mas no caso de Duna de Jodorowsky, você vai se sentir na pele do diretor que dá nome ao documentário, Alejandro Jodorowsky, que tenta por muito tempo adaptar uma das maiores obras da ficção científica (Duna, de Frank Herbert), reunindo uma equipe surpreendente que vai te deixar de boca aberta. Ele cria artes ao lado do quadrinista Moebius, consegue pessoas como Salvador Dali, Mick Jagger e Orson Welles e novos talentos como H.R. Giger, que seria depois um dos maiores nomes dos efeitos práticos, criando o visual de criaturas como Alien (1979). Mas infelizmente, o projeto que poderia ser um dos maiores filmes da história do cinema, acabou nunca indo para frente. É triste, mas se você ver o que este projeto influenciou, vai ficar surpreso, desde Star Wars até Blade Runner.

Assista também: Perdido em La Mancha (2002), sobre o projeto de Terry Gilliam para adaptar Dom Quixote.

Depois é hora da treta, é hora de assistir Hearts of Darkness: A Filmmaker’s Apocalypse (1991). Esse é um clássico dos fãs de cinema. O documentário fala dos bastidores da mega produção de Francis Ford Coppola, Apocalypse Now (1979). Coppola tinha criado uma das produções mais amadas do cinema, O Poderoso Chefão, e agora sofre a pressão para criar algo ainda maior. Enfrentando incontáveis problemas de produção, como temperatura, equipamento, a saúde dos atores e brincando com a sanidade do diretor, Apocalypse Now poderia nunca ter saído, e esse documentário mostra um pouco da loucura que foi. Sabe quando falam que algo foi um parto? Então, imagina a dor disso aí.

Assista também: Burden of Dreams (1982), sobre os problemas de produção enfrentados na realização de Fitzcarraldo (1982), de Werner Herzog.

Mas se quiser sair um pouco dessas produções e saber de outro lado importante para a industria, que tal saber como é o lado de quem assiste os filmes? Em Life Itself (2014) você tem a jornada de Roger Ebert, provavelmente o maior e mais conhecido crítico de cinema dos estados unidos. Este documentário mostra como ele anda se recuperando em um hospital, enquanto isso, o público assiste sua vida e carreira evoluindo. Podemos ver Ebert indo de crítico para figura conhecida da cultura norte-americana, virando personagem em animações e tudo. Vale a pena checar como começou a famosa crítica especializada e como ela influenciou e continua influenciando MUITO a industria cinematográfica.

Não para por aí, tenho algumas menções honrosas.

E aqui vai um bem divertido, sem contar que é bastante relevante. Baadasssss Cinema (2002)*, sobre os tempos em que o blaxploitation tomavam conta dos cinemas. Com depoimentos de atores como Pam Grier e Fred Williamson, sem contar grandes fãs como Quentin Tarantino, este é um dos movimentos mais interessantes do cinema e que vale muito a pena você dar uma checada.

E já que estamos falando sobre representatividade, não vou deixar de mencionar I am Divine (2013), uma biografia (eu sei que não teria, mas vale a pena, sério) sobre Harris Glenn Milstead, que interpretou DIVINE, a drag dos filmes de John Waters. Ele estava aí brincando com os conceitos do corpinho perfeito, identidade de gênero e sexualidade quando RuPaul era só um bebê. RESPECT!

E aí, pessegóide, gostou da lista? Destaquei meus favoritos, mas mencionei vários, e olha que tem MUITO mais por aí. Mas diz pra gente se você acha que faltou mencionar o seu favorito ou se falamos besteira, ou se você gostou e acha que não precisa mudar coisa alguma. Mas se for comentar, sempre com respeito, ein. Beijo nessas bocas.

===============

 

observação: * Não consegui achar um trailer de Baadasssss Cinema para postar para vocês, amores. Desculpa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *